AO (RE) ENCONTRO DAS ALMAS SELVAGENS E LIVRES
Sábado, 16 de Agosto de 2008
Transparente...

 

 

Transparente e volúvel como água.

Atirada de um lado para o outro.

Caída no chão vinda das nuvens.

Bebida por necessidade.

Nunca pensada como vital.

 

Transparente.

Como se não existisse mas estando sempre lá.

Presente e disponível.

Sem necessidade de ser procurada.

 

Transparente.

Usada apenas quando precisa.

Da mesma forma quando tens sede.

Da mesma forma que regas as tuas plantas.

 

Transparente.

Nunca ouvida ou apreciada.

Nem nas suas palavras.

Nem no seu silêncio.

Está lá. Está sempre lá.

 

Transparente e incapaz.

Não dói, não desaparece, não sente...

É transparente mas sabes que está lá...

 

Mas nos dias em se torna irada.

Primeiro em  ondas.

Depois em maremotos...

Deixa de ser transparente...

 

Não só está lá...

Como em vez de te saciar a sede te pode afogar.

Viras-lhe as costas...

 

Continua só e transparente.

Porque a ignoras. Porque está lá...

Porque só dela te usas quando tens sede...


sinto-me:

publicado por marisa.moreno às 12:57
link do post | comentar | favorito
|

SUPER BLOG AWARDS
Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Lobos, Bruxas e Lua Cheia...

Se me morres.

Vinho e comprimidos... (A...

...

Collapsing...

De novo...

Meu.

And the end is near.

Morno...

Big.

arquivos

Maio 2010

Março 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Dezembro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

mais sobre mim
BLOG ANTIGO
DESDE 15 / 05 / 2008
favoritos

Redoma Transparente

subscrever feeds
blogs SAPO