AO (RE) ENCONTRO DAS ALMAS SELVAGENS E LIVRES
Sexta-feira, 7 de Dezembro de 2007
Perseguida...

afraid.jpg

 

De repente fecho os olhos.

Tento perceber que vozes são aquelas lá ao fundo.

 

No escuro.

Velhos jogam cartas.

 

Há outro som.

Assustador.

 

Passa por cima de mim como se saltasse de casa em casa.

Na escuridão.

 

Olho gelada.

Vulto encapado de negro de cabelos longos pretos de noite.

Mãos ossadas e unhas compridas e escuras de roxidão.

 

Tenho medo.

 

Estatelaste-te em frente a mim.

Paralizada de pânico.

Olhas meus olhos e no fundo da minha alma e dói-me.

 

Desapareces.

Corro descalça.

Tropeço nas pedras soltas e no vestido velho que trago.

 

Sinto-te colado a mim e não te vejo.

Grito por ti.

Grito para ti.

Parei.

 

O meu amor pede-me que desenhe num papel quem me perseguiu.

Pega no esboço e sorri.

Diz-me: " Não tenhas medo...quem te assustou fui apenas eu..."



publicado por marisa.moreno às 14:49
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 6 de Dezembro de 2007
Serei eu?

Areia.jpg

 

Há pessoas assim.

Que com a boca não falam.

Que com dois ouvidos não ouvem.

Que com os seus olhos não expressam.

 

Há pessoas assim.

Que nos calando, fazendo-nos calar, amamos.

Que as ouvindo...inexistimos.

Que sem nos olhar...nos anulam.

Sem perceber como ou porquê,

Pessoas com boca calam-se.

 

Com dois ouvidos ouvem por quatro.

Que com tantos sentidos esquecidos se perdem na nossa expressão ao olhá-los.

 

Ás vezes já nem sei quem sou.

Nem sei se sou.

Sequer se me apetece ser.

Sequer se querem que seja.

 

Ao amar pessoas assim,

Não sabemos se devemos viver por elas.

Sabemos que as amamos mas que nunca nos amarão.

Com o passar do tempo e o aprofundar do silêncio.

Já será tão tarde,

Sem apetecer falar nem com palavra para dizer.

Já estará tão longe a felicidade,

Que ambos olharemos para trás,

E sem ressentimentos perceberemos a perda de nós próprios,

E a falta um do outro.

 

Não, não nos perdemos no tempo,

Só achámos que ainda tinhamos tempo.

 

E assim nos esquecemos de ser felizes e puros.

Mas só eu acabarei de consciência tranquila.

 

Acabámos ambos por atingir a paz.

Acabámos ambos por perder qualquer coisa.

Acabámos ambos por seguir em frente.

 

Mas tu acabarás infeliz porque a ti próprio te condenaste.



publicado por marisa.moreno às 16:12
link do post | comentar | favorito
|

SUPER BLOG AWARDS
Maio 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Lobos, Bruxas e Lua Cheia...

Se me morres.

Vinho e comprimidos... (A...

...

Collapsing...

De novo...

Meu.

And the end is near.

Morno...

Big.

arquivos

Maio 2010

Março 2010

Outubro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Dezembro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

mais sobre mim
BLOG ANTIGO
DESDE 15 / 05 / 2008
favoritos

Redoma Transparente

subscrever feeds
blogs SAPO